Participantes 2017

Apenas os já garantidos
02 de 40 equipes


- América/PE (via estadual 2016)
- Central/PE (via estadual 2016)

Central e América classificados para 2016 e 2017


E já temos as primeiras definições na quarta divisão nesse ano de 2016. Pernambuco conheceu seus representantes nas duas próximas edições do Campeonato Brasileiro Série D.

O Central tentará o acesso para a terceirona pela sexta vez (em oito edições), a vaga veio graças a vitória de virada sobre o seu grande rival Porto.
Já o América retorna a um brasileiro 25 anos depois de disputar a terceirona, a vaga foi carimbada ao segurar um empate em zero ante o Pesqueira.

Como a CBF determinou que os classificados dos estaduais/copas de 2016 serão os participantes da Série D 2017, essas duas equipes são as primeiras a garantirem vaga para o ano que vem, no caso de promoção nesse ano, o vencedor do hexagonal da morte do estadual 2016, assume a vaga na D17, caso as duas equipes subam esse ano, os dois primeiros do hexagonal herdam as vagas.

Botafogo Campeão da Série D 2015


River 0x0 Botafogo

Por Teresina



River-PI e Botafogo-SP puseram simbolicamente Teresina e Ribeirão Preto em duas trincheiras,  tudo em nome do título da Série D do Campeonato Brasileiro. Com a taça em jogo, Galo Carijó e Pantera se digladiaram no segundo jogo da decisão para arrebatar o coração dos mais de 40 mil torcedores presentes. No fim, triunfo paulista na quarta divisão. Empate em 0 a 0 neste sábado, o suficiente para cravar o nome do Bota-SP na história e, de quebra, criar um novo termo no dicionário popular da bola: Albertanazo. Aplausos discretos da torcida, e milhares de corações piauienses apertados por uma noite. Talvez durante meses.
Canela River-PI x Botafogo-SP (Foto: Rogério Moroti / Agência Botafogo)Canela River-PI x Botafogo-SP (Foto: Rogério Moroti / Agência Botafogo)

A formação tática do River-PI no papel anunciou, ainda nos vestiários, a postura tricolor no primeiro tempo. Célio Codó, Eduardo e Fabinho na composição do ataque proposta pelo técnico Flávio Araújo pôs o Galo Carijó com força máxima. A troca rápida de passes riverina deu maioria na posse de bola e ajudou ao time nordestino a buscar o gol. Os times foram para o intervalo com uma constatação clara: o Botafogo-SP suou para evitar o prejuízo após as sete finalizações da equipe da casa. 
FINALIZAÇÕES DA FINAL
River-PI: 17
Botafogo-SP: 2
Sem mudanças para a etapa complementar, o jogo manteve a carga de tensão. E ela foi redobrada logo aos 10 minutos. César Gaúcho cometeu falta em Júnior Xuxa, recebeu o segundo cartão amarelo na partida e mudou completamente o panorama do jogo botafoguense. Com um a menos, o Pantera sofreu mudanças. Canela e Nunes, principais referências no ataque, deram lugar a Mateus Mancini e Dudu, respectivamente.
River-PI x Botafogo-SP (Foto: Rogério Moroti / Agência Botafogo)River-PI x Botafogo-SP (Foto: Rogério Moroti / Agência Botafogo)
Em apuros pela desvantagem numérica, coube ao Botafogo-SP repetir a façanha conseguida diante do Remo, quando cozinhou o adversário paraense na semifinal e gastou o tempo até o fim do duelo em Belém. Não deu outra: retranca paulista no caldeirão e título paulista construído fora de casa com ajuda do regulamento por conta da vitória no primeiro jogo por 3 a 2. 

Os dois melhores times da Série D se juntam a Remo e Ypiranga-RS e compõem a lista de clubes que garantiram o acesso à Terceirona do ano que vem.

Gols da partida de ida da final

Botafogo 3x2 River

Botafogo 3x2 River

Por  
 Ribeirão Preto,SP


Botafogo-SP e River-PI se enfrentaram na noite deste sábado no estádio Santa Cruz. Os dois times fizeram uma partida digna de final. Com três gols do atacante Francis, - Célio Codó e Neneca (contra) marcaram para o River,  o time de Ribeirão Preto levou a melhor e venceu por 3 a 2. No jogo de volta, no próximo sábado, às 19h30, no Piauí, o Pantera pode empatar por 0 a 0 para conquistar o título. Para o Galo Carijó levantar a taça precisa vencer por um gol de diferença.

Em um primeiro tempo morno, o Botafogo começou  tentando fazer valer o mando de campo. Logo aos cinco minutos o time da casa assustou. Canela puxou rápido contra-ataque e serviu Helton Luiz, que cruzou para Francis, desviar, de letra e obrigar o goleiro Naylson a fazer uma boa defesa antes da bola tocar no travessão.

A resposta do River veio aos doze minutos. Jadson cruzou da esquerda, a bola passou por toda a área e ninguém chegou para empurrar para o gol. Depois do susto, o Pantera passou a dominar o jogo.  Sempre comandados por Canela, o Tricolor ensaiou uma pressão, mas parava na boa defesa do Galo Carijó.

Emoção pura na segunda etapa

O papo com o técnico Marcelo Veiga no intervalo surtiu efeito logo aos 12 minutos. Canela puxou o contra-ataque, deixou dois marcadores para trás e cruzou, na medida, para Francis tocar para o fundo do gol.

A vitória parcial aliviou os jogadores do Botafogo que começaram a cadenciar o jogo e obrigou o River a se expor mais. Aos 25 minutos, com os piauiense no ataque, o zagueiro Mirita cobrou uma falta do campo defensivo, na entrada da área do time piauiense Nunes escorou de cabeça e a bola sobrou para Francis, emendar de primeira e marcar um lindo gol.

Atrás do placar o River foi todo para cima. Júnior Xuxa arriscou de fora da área e obrigou o goleiro Neneca a fazer uma defesa difícil. Aos 36, o Galo Carijó encontrou o gol. Thiago Dias recebeu nas costas de Augusto Ramos, entrou na área e finalizou. A bola explodiu na trave e sobrou para Célio Codó, com o gol vazio, empurrar para as redes.

O resultado deu uma esfriada nos mais de nove mil pagantes presentes no estádio Santa Cruz, mas cinco minutos depois Francis, de novo ele, apareceu para reacender a esperança dos botafoguenses.  Após cruzamento de Daniel Borges, Nunes dividiu com a zaga e o iluminado Francis aproveitou a indecisão do goleiro Naylson para, de cabeça, empurrar para o gol. 3 a 1 Botafogo.

Com o resultado favorável e o jogo próximo do fim, a torcida começou a soltar o grito de “É campeão”. O que os tricolores não imaginavam é que o goleiro Neneca, herói do acesso, colocaria um ponto de interrogação na grande final.

Aos 43, Amorim cobrou falta da área, e bola passou por todo mundo, bateu na mão esquerda de Neneca e foi morrer no fundo do gol. 3 a 2.

Estaduais de 2016 também valerão vaga para 2017

A Confederação Brasileira de Futebol, através do Departamento de Competições, expediu na tarde desta 5ª feira (05) o ofício nº 777/15, que delibera sobre a participação dos clubes no Campeonato Brasileiro da Série D 2016. A CBF definiu que as equipes classificadas para o Campeonato Brasileiro da Série D de 2016, a partir de seus estaduais, também serão os representantes das federações na competição em 2017.

O ofício ainda abre a possibilidade da realização de um torneio seletivo para definição dos representantes. Em 2015, os dois representantes catarinenses no Brasileiro Série D foram definidos através da classificação do Catarinense Série A.

Ainda com relação ao torneio seletivo, o mesmo deverá contar com a participação mínima de quatro equipes que disputaram o Catarinense Série A de 2016.

Veja AQUI o oficio recebido pela federação de SC.

Remo 0x0 Botafogo

Por 
Belém



O Botafogo-SP está na final da Série D do Brasileiro. A equipe do treinador Marcelo Veiga, que havia vencido o Remo na primeira partida, em Ribeirão Preto, por 1 a 0, conseguiu segurar bem a pressão do Leão em Belém, garantindo a vaga na decisão da competição contra o River-PI. O jogo foi bastante equilibrado, o Leão teve maior posse de bola, mas não conseguiu desenvolver jogadas para chegar ao gol de Neneca com mais perigo, recorrendo aos cruzamentos pouco eficientes. Sem gol na partida, melhor para o Pantera, que comemorou a classificação no Mangueirão. O primeiro jogo será em São Paulo, com o segundo acontecendo em Teresina. Já o Remo encerra as atividades e passa a pensar em 2016.

Vitinho Botafogo-SP Remo (Foto: Rogério Moroti / Agência Botafogo)Vitinho foi um dos destaques do Botafogo-SP contra o Remo (Foto: Rogério Moroti / Agência Botafogo)

Apesar de ter a vantagem do empate, o Botafogo-SP começou a partida indo pra cima do Remo, tendo maior posse de bola e chegando a levar certo perigo ao gol de Fernando Henrique. Porém, na primeira vez que chegou ao gol do Pantera, aos 10 minutos, o Leão acertou a trave, após cobrança de falta de Eduardo Ramos e o zagueiro Caio Ruan desviando errado.

O lance animou o Remo, que teve outra chance com o zagueiro Ciro Sena cabeceando pra fora. A partir daí os remistas começaram um festival de cruzamentos pra área de Neneca, que segurou o empate no primeiro tempo. Na volta para o intervalo, Cacaio colocou Léo Paraíba para tentar colocar a bola mais no chão. Já Marcelo Veiga, aos 12 minutos, tirou Canela e colocou Matheus Mancini, fechando ainda mais o Pantera, que saia apenas nos contra-ataques. Em um deles, aos 18 minutos, Francis fez grande jogada individual e Fernando Henrique evitou o gol com os pés. As bolas aéreas continuaram, a zaga do Botafogo se manteve atenta e a classificação para a final foi questão de tempo.

Ypiranga 2x0 River

Por 
Erechim, RS


O primeiro finalista da Série D do Brasileirão é o River-PI. Nos pênaltis, a equipe piauiense passou pelo Ypiranga-RS (5 a 4) após perder no tempo normal por 2 a 0, mesmo placar no jogo de ida, em Teresina. João Paulo e Maycon garantiram o resultado favorável nos 90 minutos para o Canarinho do Sul no estádio Colosso da Lagoa, em Erechim, na tarde deste sábado. Nas batidas de pênaltis, o goleiro Naylson se consagrou. O camisa 1 do Tricolor pegou dois e na sexta cobrança garantiu a classificação inédita de um time do Piauí à final de um Campeonato Brasileiro Brasileiro.

Nas primeiras cinco cobranças, João Paulo, Branquinho, Laerte e Saldanha marcaram pelo time gaúcho. Jonathan perdeu. Do lado tricolor, Eduardo, Fabinho, Índio e Toty converteram. O lateral Alex Santos teve a bola defendida por Carlão. Nas alternadas, o zagueiro Claudinho parou no goleiro Naylson, autor da última cobrança: bola no gol e comemoração riverina em Erechim. Na Série D, o River-PI eliminou pela segunda vez uma equipe do Rio Grande do Sul: Lajeadense nas quartas, e agora o Ypiranga-RS.  

Neste domingo, o Tricolor do Piauí descobre quem será o seu adversário na grande decisão. O Remo recebe o Botafogo-SP, no Mangueirão, às 20h (Horário de Brasília). Na primeira semifinal, a equipe de Ribeirão Preto venceu por 1 a 0, assim tem a vantagem do empate. O Ypiranga-RS, que garantiu o acesso à Série C, volta seu planejamento para 2016.

Ypiranga-RS x River-PI (Foto: Elziney Santos)Fabinho comemora classificação do River-PI (Foto: Elziney Santos)

O jogo

A volta do meia Jean Paulo e do atacante Miranda – ausentes em Teresina – tornou a equipe de Leocir Dall’Astra ainda mais ofensiva, característica necessária para o time virar a vantagem do time piauiense. Se nos cinco minutos iniciais, o Galo conseguiu administrar a força gaúcha, os outros 40 foram de um volume intenso: paulada de Diego Miranda no travessão, finalização perigosa de Thiago Costa e gol. Em disputa dentro da grande área, o árbitro entendeu que o zagueiro Índio derrubou João Paulo. O próprio camisa 9 bateu, e o goleiro Naylson nem saiu na foto. O gol cedo, aos 12, aumentou a posse do Canarinho, e os piauienses chegaram aos 26, um chute do volante Rogério por cima do gol. No final, o Galo começou a tabelar no meio-campo e o placar de finalizações de 8 a 6 denotou o equilíbrio.

Ypiranga-RS x River-PI  (Foto: Elziney Santos)Goleiro Carlão segura com confiança lançamento do Tricolor (Foto: Elziney Santos)

Além do gol, o primeiro tempo teve Dall’Astra reclamando de mais com a arbitragem  do carioca Antônio Carvalho Schneider. O técnico do Ypiranga pediu pênalti em Maycon e não gostou de dois impedimentos assinalados, em um deles o atacante João Paulo conseguiu escapar da marcação, mas a assistente Fernanda Colombo confirmou a irregularidade para loucura do treinador. Durante o intervalo, Dall’Astra conversou com o trio de arbitragem e, ironicamente, disse o que falou: “Estão apitando bem”. 

Dois lances incríveis no segundo tempo: João Paulo deu de calcanhar para Miranda, que escapou em velocidade. Frente a Naylson, acabou recuando. No mesmo minuto, Fabinho embaixo do travessão se atrapalhou após receber cruzamento pela esquerda de Eduardo. Situações de uma partida franca, aberta. E novamente aos 12 o Canarinho ampliou: Jean Paulo recuperou a bola no meio-campo e rolou livre para Mayson, que chutou no canto. Com o 2 a 2 no placar agregado, o Ypiranga – que conseguiu igualar o resultado de Teresina – teve mais tranquilidade e aumentou o domínio com entradas de Juninho e Branquinho. O River-PI teve duas oportunidades, em contra-ataques, para descontar o placar: Fabinho colocou no ângulo de Carlão, que tirou na ponta dos dedos. No fim, Rogério chutou cruzado na pequena área, e a bola tirou tinta da trave. 

Botafogo 1x0 Remo

Por  
RIbeirão Preto,SP

Os pouco mais de cinco mil botafoguenses que compareceram ao estádio Santa Cruz para assistir a primeira partida da semifinal da Série D, na noite desde domingo sofreram. Com um time pouco inspirado, o Botafogo-SP sofreu para vencer o Remo. O grito de gol só saiu da garganta graças a Canela, que marcou o único gol do jogo. O resultado deixou o Tricolor mais próximo da decisão, já o time paraense precisa vencer por dois gols de diferença para conseguir a classificação. Se o Remo vencer por 1 a 0, o finalista será conhecido na disputa de pênaltis.

Primeiro tempo sonolento 
 
A partida começou com muito estudo das duas equipes. Jogando em casa, o Botafogo tratou de ir para cima e logo assustou com Francis. Após um cruzamento na área, Nunes ajeitou de calcanhar, mas viu o parceiro de ataque cabecear a bola por cima do gol. O susto fez o Remo acordar e sair para o jogo. A melhor chance foi nos pés de Aleílson. Após rápida jogada de Whelton, o camisa nove recebeu na área, mas errou o passe para Ratinho.

Na metade do primeiro tempo, as duas equipes diminuíram o ritmo e o jogo voltou a ficar muito disputado no meio-campo. Precisando da vitória, o técnico Marcelo Veiga mexeu no time ainda no primeiro tempo. O treinador tirou o lateral-direito Daniel Borges, que não gostou da substituição, e colocou o atacante Canela, que mais tarde seria o salvador do Tricolor.

Bronca no vestiário muda postura.
 
Na volta do Intervalo, Marcelo Veiga cobrou uma postura mais agressiva dos jogadores e parece que deu certo. Aos sete minutos, o Botafogo perdeu a primeira chance. Canela ganhou em velocidade pela esquerda e cruzou, com Fernando Henrique já batido, Guaru e Samuel Santos se atrapalharam e o camisa sete isolou a melhor chance do Tricolor até então.

Aos 18, Chicão arriscou de longe e a bola assustou Neneca. Um minuto depois, Francis bateu cruzado e viu a bola passar por toda a área.  Os visitantes só voltaram ao ataque aos 32 minutos, quando Juninho cruzou rasteiro e o zagueiro Henrique desviou com perigo.

Precisando da vitória para jogar cm mais tranquilidade fora de casa o Botafogo começou a abusar das bolas aéreas e via o Remo apenas se defender. Aos 40 minutos, a pressão surtiu efeito. Samuel Santos levantou a bola na área, Nunes cabeceou, Fernando Henrique fez uma linda defesa, mas a bola sobrou para Canela apenas empurrar para as redes.

As duas equipes voltam a se enfrentar no próximo domingo, às 20h (de Brasília) no estádio Mangueiro, em Belém do Pará.

River 2x0 Ypiranga

Por
Teresina

Com Eduardo inspirado, o River-PI embalou a sua quinta vitória seguida no estádio Albertão, em Teresina, e deu um passo precioso para avançar à decisão da Série D do Brasileiro. Contra o Ypiranga-RS, o camisa 9 foi o autor dos dois gols do Tricolor na noite deste sábado. O placar de 2 a 0 deu ao Galo uma vantagem para o jogo da volta, no próximo sábado, em Erechim. Os piauienses podem perder por até um gol de diferença que vão à final. Para o time gaúcho, resta usar a supremacia do Colosso da Glória para virar o resultado no próximo sábado, às 17 (horário de Brasília).

Ao fim da partida, os jogadores do Ypiranga-RS reclamaram muito da arbitragem de Paulo Henrique de Melo. O técnico Leocir Dall'Astra também não poupou a atuação do juiz. O gol do atacante João Paulo, anulado aos 19 minutos do segundo tempo, encabeça a lista de críticas. Para o Canarinho do Sul, o jogador não estava impedido quando recebeu de Saldanha. O time gaúcho também citou dois lances que acreditam ter sido pênalti, no primeiro tempo. Um deles, Índio teria cortado um cruzamento com mão, não deixando a bola chegar na cabeça de João Paulo.    


Bem na defesa, o time de Erechim permitiu os tricolores jogarem no primeiro tempo, porém longe da meta de Carlão. Os minutos iniciais foram de paciência para os dois lados. Valorizando cada momento enquanto estava com a bola – ao ponto do goleiro ter a atenção chamada pelo árbitro por demorar a cobrar o tiro de meta ainda com 20 minutos de jogo –, o Ypiranga-RS fechou o meio-campo e deu dificuldades ao time de Flávio Araújo, que errava passes. Fabinho arriscava nas finalizações, até a configuração mudar. Pelo lado esquerdo, saiu a jogada do primeiro gol do River-PI, destaque pela presença de área de Edu. Fabinho cruzou, o zagueiro Fernando atrapalhou Carlão, e Edu fez. O atacante ainda encerrou o primeiro tempo com uma cabeçada que balançou o travessão.

Fechado no primeiro tempo, o Ypiranga-RS voltou com Branquinho no lugar de Pretto e, sem exageros, melhorou muito. A bola aérea das laterais foram efetivas, e o gigante João Paulo ganhou nas cabeçadas a maioria. A zaga com Rafael Araújo e Índio suportou, e a equipe gaúcha também carimbou a trave: mais uma cabeçada, agora do volante Costa. Foram 10 minutos de controle total com a bola, mas que não resultaram em gol. Nos últimos cinco minutos, com a entrada de Léo Olinda, o Galo aliviou. E, nas ironias do futebol, ampliou novamente com Edu após novo passe de Fabinho, para delírio de um Albertão lotado.  

River-PI x Ypiranga - Série D (Foto: Emanuele Madeira)Em grande público, torcida lota estádio Albertão, em Teresina (Foto: Emanuele Madeira)

River sobe para a Série C


Lajeadense 1x1 River

Por 
Lajeado, RS


Frieza necessária para uma quente conquista. Oito anos depois, o River-PI está de volta à Série C do Campeonato Brasileiro. Na noite desta segunda-feira, no Dia do Piauí, a equipe tricolor empatou com o Lajeadense em 1 a 1 na arena Alviazul. O empate – após ter vencido no jogo de ida por 3 a 0 – garantiu o acesso para o Galo, que consegue subir de divisão no Brasileiro pela primeira vez em seus 69 anos de história. O meia Alan abriu o placar no primeiro tempo para os donos de casa, mas Fabinho garantiu o placar necessário para a classificação.   

Com o acesso do Galo, foram definidos os times que sobem para a Série C do próximo ano: Ypiranga-RS, Botafogo-SP e Remo. As semifinais da quarta divisão ficaram definidas também: Ypiranga-RS x River-PI e Remo x Botafogo-SP. As datas e horários ainda serão anunciadas pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

O Lajeadense colocou em prática a proposta defendida pelo técnico Luís Carlos Winck ao longo da semana: primeiro tempo de sufoco e não permitir a equipe riverina respirar. Abusando das bolas aéreas, principalmente pelo lado direito do campo, com Goiano. A forma nada lembrou do 3 a 0 sofrido em Teresina: atuando boa parte do primeiro tempo no campo de ataque, os gaúchos recorreram aos lançamentos, obrigando o goleiro Naylson a se defender como podia. Aos 27, o gol: Ederson tocou para Alan, que bateu bonito no canto. O River-PI sentiu os efeitos do campo escorregadio, castigado pelas chuvas. Defensivo, os meias Júnior Xuxa e Esquerdinha não apareceram. Os jogadores tricolores tiveram dificuldade de trocar passes, e não chutaram ao gol de Giovani nenhuma vez.  

A primeira mudança de Flávio Araújo no segundo tempo: Thiago Dias, mais efetivo de marcação, no lugar de Júnior Xuxa. A mudança permitiu uma paciência melhor dos piauienses no controle com a bola, mas manteve os gaúchos no ataque. Na primeira oportunidade em que teve, o River-PI encaixou um ataque mortal. Edu deixou para Fabinho, que bateu forte, sem domínio. 

O gol desequilibrou o Lajeadense, que viu o acesso ficar mais longe: precisava de quatro gols em menos de meia hora. O lateral Goiano acabou expulso, após chutar Thiago Dias duas vezes após a marcação de falta. Com um a menos, o time gaúcho diminuiu a frequência de subidas e viu os piauienses ficarem com mais tempo com a bola até o apito final.  

Lajeadense x River-PI (Foto: Renan Morais )River-PI enfrenta o Ypiranga-RS nas semifinais da Série D do Brasileiro (Foto: Renan Morais )

Mural